sexta-feira, 24 de junho de 2011

Igreja Perseguida no Sudão - Cristãos atacados e mortos

21/6/2011 - 15h20 

Uma igreja típica no sul do Sudão

Saiba mais sobre a Igreja Perseguida no Sudão

SUDÃO (35º) - As Forças Armadas do Sudão (SAF), da unidade de Inteligência, detiveram Nimeri Kalo Philip, um estudante do seminário Saint Paul, no último dia 8 de junho, perto do portão da Missão das Nações Unidas no Sudão (MINUS) e atiraram nele na frente das pessoas que andavam pela rua. Kalo e outros cristãos estavam fugindo da cidade após as milícias muçulmanas leais à SAF atacarem e saquearem os três edifícios da igreja em Kadugli.

O ataque aos cristãos e igrejas ocorreu no estado de Kordofan, no sul do Sudão.

Agentes da Inteligência da SAF acusaram Kalo de ser cristão e, portanto, de pertencer à oposição ao governo islâmico, segundo o relato de fontes locais. Ele não resistiu aos ferimentos e morreu.

No mesmo dia, os militantes islâmicos mataram outro cristão no Mercado Kadugli. Adeeb Gismalia Askam, de 33 anos, era motorista de ônibus e filho de um ancião da Igreja Evangélica em Kadugli. Ele foi assassinado pelos extremistas após gritar “Allahu akbar [Deus é maior]”.

As milícias islâmicas ouviram gritos pronunciando “Deus é maior” e começaram a atirar contra o prédio da Igreja Católica Romana, na tarde do mesmo dia 8 de junho, durante uma reunião em que os membros da congregação pediam para que Deus os protegesse.

Líderes da igreja são presos

Ninguém foi atingido pelos tiros disparados contra a igreja, mas os dois líderes da igreja atacada foram presos, acusados de incentivarem as pessoas a irem contra o governo islâmico do país. Os militantes os levaram para um local desconhecido e os torturaram por dois dias. Eles foram soltos no dia seguinte.

Os cristãos entraram em estado de choque, pois eles se tornaram alvo de militantes islâmicos que trabalham para o governo do Sudão.

Outro cristão, que pediu anonimato, disse que foi preso acusado de ser um anti-islã e, portanto, contrário ao governo islâmico. Ele foi levado para uma prisão militar e foi severamente espancado. “Eu pensei que era o meu fim, mas graças a Deus eu fui liberado, mas fui avisado que deveria sair da cidade”, disse ele.

Tradução: Lucas Gregório

Fonte: http://www.portasabertas.org.br/noticias/noticia.asp?ID=7196

Um comentário:

maría cecilia disse...

Hola Vanusa, qué lástima que aún sucedan cosas así en el mundo... espero que la paz y la armonía desciendan pronto en nuestras conciencias.
cariños